Carglass logo
Aguarde um momento
Blog Carglass® Voltar Voltar
carros a hidrogénio
Tecnologia automóvel

Carros a hidrogénio: Serão eles o futuro?

Partilhar
Facebook Twitter Linkedin
Atualizado a 05 fev 2024 | 5 min leitura

Ainda acha que os carros elétricos, tal como os conhecemos, são a única alternativa de mobilidade limpa e amiga do ambiente? Pense de novo, porque os carros a hidrogénio podem ser os veículos de um futuro próximo.

Saiba tudo sobre o funcionamento destes veículos e quais as suas vantagens e desvantagens.



Mas o que é e como funciona um carro a hidrogénio?

Um carro a hidrogénio (também conhecidos por ‘fuel cell electric vehicle’) funciona através de energia elétrica, daí que este tipo de veículos sejam também considerados como carros elétricos. O que os difere de um carro elétrico convencional é a sua forma de produzir energia.

Enquanto que o carro elétrico convencional precisa de energia de uma fonte externa - carregadores -, um carro a hidrogénio consegue produzir a sua própria energia elétrica através de uma célula combustível.

Este tipo de veículos são compostos por tanques de hidrogénio (H2), que, quando em contacto com o oxigénio (O2) da atmosfera, criam 2 produtos na sua célula de combustível: energia elétrica e vapor de água (H2O), que é expelida pelo tubo de escape. A energia elétrica é usada para mover o carro, por isso, e tal como os carros elétricos convencionais, os carros a hidrogénio são uma alternativa de mobilidade limpa e sem consequências prejudiciais para o ambiente.



E quais são as vantagens e desvantagens dos carros a hidrogénio?

Como todos os carros com diferentes tipos de energias - a combustível e elétricos convencionais -, os carros movidos a hidrogénio também têm os seus prós e contras.


Algumas das vantagens passam por ser este ser um veículo:
  • Mais rápido de abastecer: em média um abastecimento completo demora apenas 5 minutos. Uma grande vantagem carros a hidrogénio vs carros elétricos convencionais;
  • (Ainda) Mais amigo do ambiente: No seu processo de criação de energia, são  produzidos zero emissões poluentes apenas vapor de água é libertado, o que renova o ar por onde o carro se desloca;
  • Muito silencioso: por não ter um motor a combustão, esta é uma característica dos carros elétricos.

Autonomia

Em termos de autonomia, é algo que irá sempre depender do veículo e fabricante mas, com o avançar da tecnologia elétrica, já não parece existir uma discrepância tão grande entre um carro a hidrogénio e um carro elétrico convencional. Atualmente, a autonomia dos carros a hidrogénio é de aproximadamente 500 km e, alguns modelos mais recentes, até 600 km.

Ainda assim, existem algumas desvantagens:

Abastecimento

Abastecer um tanque de hidrogénio pode ser ainda mais caro do que abastecer um depósito de um carro a combustível. No entanto, é normal que com a procura, este valor possa diminuir e tornar-se mais competitivo. 

Bateria

Comparando o carro a hidrogénio com o carro elétrico em termos de bateria, o custo de carregamento de uma bateria é 2 a 3 vezes mais baixo que o abastecimento de um tanque de um carro a hidrogénio, para a mesma distância a percorrer. Além disso, o custo das matérias-primas usadas no fabrico das baterias são tendencialmente mais caras, o que torna estes carros mais caros comparativamente aos elétricos. 

Outras desvantagens:

  • Tem um número reduzido de postos de carregamento: apesar de já existirem cerca de 1.000 postos de carregamento em todo o mundo (segundo o último estudo da Information Trends) em Portugal existe apenas uma estação de hidrogénio aberta ao público. Situado em Cascais, o posto DRHYVE foi instalado pela PRF Gas Solutions. No entanto, o Plano Nacional de Hidrogénio prevê que Portugal possa ter cerca de 50 postos de hidrogénio em 2030.
  • Preços de aquisição ainda muito altos: o carro atualmente disponível para compra em Portugal, o Toyota Mirai, está disponível a partir dos 74.800 euros. Contudo é expectável que, tal como com o abastecimento, à medida que a procura aumente os preços se tornem mais baixos e competitivos.

Estudos como o Automotive Industry 2035 – Forecasts for the Future apontam o hidrogénio como algo muito promissor, especialmente para meios de transporte coletivo e de grande porte.




Ideal para longas distâncias, o hidrogénio é a energia mais limpa e também mais eficaz para estes setores:
  • Um tanque de hidrogénio, por ser mais denso, consegue gerar mais energia, do que uma bateria com o mesmo volume, sendo ideal para grandes distâncias; 
  • Para além disso, o abastecimento é mais rápido com a tecnologia a hidrogénio vs bateria.

Em Portugal, redes como a Carris, STCP, Transportes Urbanos de Braga e Transportes Urbanos de Coimbra já têm alguma cobertura da sua frota com autocarros elétricos e a hidrogénio. Em 2021, foi ainda anunciado um concurso para financiar a compra de pelo menos 135 autocarros sem emissões, no valor de 40 milhões de euros.

Entre vantagens e desvantagens desta nova tecnologia, uma coisa é certa: as energias verdes estão a tomar conta do setor automóvel. Próxima paragem? Um planeta mais sustentável.



Partilhar
Facebook Twitter Linkedin
Ver todos posts do Blog

Também lhe pode interessar

Microcarros: o que são e qual a habilitação para os conduzir?

Ver artigo

Carro da Apple tem nova data de lançamento. Saiba tudo sobre o carro elétrico do futuro

Ver artigo

O que é um computador de bordo e quais as vantagens

Ver artigo
Faça já a marcação online e tenha o seu vidro reparado rapidamente!